ÁREA DO PACIENTE

Orientações Pré-Operatórias

Deve-se permanecer em JEJUM por um período de 8 horas previamente à cirurgia (incluindo água, outros líquidos e qualquer tipo de alimento);

Chegue ao Hospital com pelo menos 2 horas de antecedência ao procedimento, no setor de internação, com documentos pessoais e do seu convênio;

Se você utiliza alguma medicação para pressão alta pela manhã, pode tomá-la com uma mínima quantidade de água no dia da cirurgia. Caso tome anticoagulantes orais ( AAS, Plavix, Clopidogrel) informe o seu médico para definir o momento exato de sua interrupção;

Levar ao hospital todos os exames solicitados pelo médico (exames de sangue,exames cardiológicos, radiografias, tomografias e ressonância – filmes e laudos), pois eles são importantes para o Anestesista e para o Cirurgião;

Leve roupas íntimas e material de higiene pessoal ao hospital.

Tratamento por ondas de choque

O Tratamento Por Ondas de Choque (radiais ou focais) é uma nova modalidade de tratamento que consiste na emissão de ondas acústicas de baixa, média e alta potência, que se propagam através do tecido, até a região da dor. As Ondas de Choque são um tipo de energia mecânica e não um choque elétrico, que penetra no tecido lesado provocando microrroturas no tecido inflamado, determinando a liberação de substâncias anti-inflamatórias locais e também estimulando um aumento na microcirculação local. Este aumento de nutrição no local leva a uma progressiva cura natural do processo inflamatório-degenerativo.

Há duas teorias básicas que explicam seu efeito benéfico no sistema musculoesquelético. Uma baseia-se em micro lesões que as ondas provocam no tecido-alvo (tendões, periósteo, osso esponjoso), sem danificar os tecidos adjacentes. Estas micro lesões serão estímulo inicial para o processo de reparação.

Uma segunda teoria baseia-se na produção de óxido nítrico na área atingida pelas ondas de choque. Este óxido nítrico produzido desencadeia uma reação enzimática que estimula o crescimento vascular na área atingida.

A terapia é realizada por equipamentos desenvolvidos para uso em ortopedia, e as indicações abrangem patologias de caráter crônico como esporão de calcâneo, tendinites calcificadas de ombro, tendinites de cotovelo, e outras tendinites que não foram solucionadas pelos tratamentos habituais.

O uso das ondas de choque também tem um efeito osteogênico, quando aplicada em pacientes que tiveram fraturas de difícil consolidação.

O tratamento por ondas de choque aplicada ao sistema musculoesquelético pode iniciar os seguintes processos:
• alterações estruturais no tecido;
• estimulação de crescimento ósseo;
• estimulação do processo regenerativo do tecido;
• alterações estruturais no depósito de cálcio seguido por reabsorção de cálcio pelo organismo.

Este método deverá ser prescrito somente por um médico, que fará uma avaliação clínica de cada caso.

Assim, as principais indicações para o tratamento por ondas de choque são:
• Tendinite Calcárea do ombro
• Epicondilites do cotovelo ( cotovelo do tenista e golfista)
• Tendinite Aquileana e Fasceíte Plantar
• Tendinites não solucionadas por outros tratamentos
• Bursite trocantérica e pubalgia
• Pseudoartroses e retardos de consolidação óssea
• Tendinites do joelho ( joelho do saltador)
• Dores musculares crônicas ( síndromes miofasciais- pontos gatilho)

As contra-indicações são:
• Coagulopatias graves;
• Infecção aguda de tecido mole ou osso;
• Infecções sistêmicas;
• Tratamento no crânio, pulmão, coluna vertebral e costelas;
• Vasos ou nervos maiores no foco;
• Doença primária maligna (tumores) na área de tratamento;
• Epífises no foco;
• Arritmias cardíacas ou uso de marca-passo;
• Epiliepsia.

O tratamento não é invasivo. Não há nenhum tipo de sangramento visível. Não há cicatriz. É totalmente ambulatorial. Não há a necessidade de hospitalização. Na sala de tratamento, o paciente será acomodado de maneira a estar sentado ou deitado, dependendo da região a ser tratada. O equipamento será acoplado diretamente na área do corpo a ser tratada e em seguida se iniciará a emissão das ondas de choque.

Reabilitação

A Reabilitação da articulação do ombro e de seu grupamento muscular, ou após um procedimento cirúrgico, ou após um tratamento conservador é fundamental para o retorno às atividades cotidianas e esportivas. Assim, o paciente atingindo uma amplitude completa dos movimentos do ombro e estando sem dor deve fortalecer a musculatura do manguito rotador e da cintura escapular. Os rotadores internos e externos do manguito rotador, os músculos ao redor da escápula como trapézio, rombóides e serrátil anterior devem ser priorizados. Deltóide e peitoral maior também devem ser recrutados na reabilitação final.

Segue um guia simplificado de como fazer uma boa reabilitação do seu ombro. É importante sempre ter a orientação do profissional nesta fase.

Após analgesia, o Ganho de Amplitude completo é fundamental (vide abaixo).

Fortalecimento após ganho de amplitude

Propriocepção e Pliometria

Propriocepção também denominada como cinestesia, é o termo utilizado para nomear a capacidade em reconhecer a localização espacial do corpo, sua posição e orientação, a força exercida pelos músculos e a posição de cada parte do corpo em relação às demais, sem utilizar a visão. Este tipo específico de percepção permite a manutenção do equilíbrio postural e a realização de diversas atividades práticas. Resulta da interação das fibras musculares que trabalham para manter o corpo na sua base de sustentação, de informações táteis e do sistema vestibular.
Pliometria é uma forma de exercício que busca a máxima utilização dos músculos em movimentos rápidos e de explosão. Seu conceito baseia-se na exploração do músculo em sequências de contrações excêntricas e concêntricas buscando a otimização do mesmo. As ações dos músculos em práticas de esforços rápidos semelha-se ao comportamento de uma mola, contraindo-se e liberando sua força acumulada. Os exercícios pliometricos buscam a consciência do praticante da melhor forma de utilização desta impulsão de força, permitindo aprimorar as suas técnicas esportivas.

Propriocepcao e Pliometria
Propriocepcao e Pliometria 1

Artroscopia

A artroscopia , do grego “artros” (articulação) e “scopos” (ver), é atualmente a melhor maneira para se abordar cirurgicamente as lesões do ombro. Com mínimas incisões (1-2 cm) na pele (cirurgia pouco invasiva) é possível introduzir uma ótica e instrumentais delicados e fazer um diagnóstico preciso e tratamento adequado das diversas patologias da articulação com risco mínimo de complicações , menor tempo de hospitalização e melhor recuperação. Com o advento da artroscopia é possível abordarmos e tratarmos as mais diversas lesões do ombro como as luxações , as lesões do manguito rotador, fraturas específicas , artroses leves a moderadas, luxações da articulação acrômio-clavicular, ombro congelado entre outras. A artroscopia também é amplamente utilizada para tratamento de lesões no joelho ( lesão de menisco, artroses e lesões ligamentares) , no cotovelo ( epicondilites, retirada de corpos livres e rigidez), no tornozelo ( lesões osteocondrais e ligamentares), no punho e no quadril. A grande maioria dos procedimentos artroscópicos permite que o paciente tenha alta hospitalar no mesmo dia ou no máximo no dia seguinte trazendo assim mais conforto e segurança para o paciente.

Artroscopia no ombro
Artroscopia joelho
Articulação ombro - visão por video
Artroscopia ombro

Entre em contato conosco!